O novo ministro italiano diz que as famílias gays não existe

ROMA, 2 JUN (ANSA) – Em seu primeiro dia no cargo, o novo ministro da Família e a Deficiência da Itália, Lorenzo Fontana, deu uma declaração polêmica de que as “famílias de gays não existe” e se tornou alvo de questionamento por parte de ativistas e Ongs. “Eu sou católico, e não escondê-lo. E por esse motivo eu acredito, e eu digo que a família é o natural, onde a criança deve ter um papai e uma mamãe”, disse o ministro, de 38 anos, em entrevista neste sábado (2) o jornal “Corriere della Sera”. Fontana também disse que, além de suas próprias crenças, a lei italiana não reconhece esta formação da família. “Uma lei para essa finalidade, não existe. Devemos decodificar o que está acontecendo [em cartório italianos que foram registrados com os filhos de pais homossexuais]”, criticou. O ministro jurava que ele nunca falou nada em contrário, ou agressivo aos gays, mas ressaltou acredito que se você vive em “um modelo cultural relativista”, em que “não há comunidades, mas sim, as famílias, que são o primeiro e mais importante comunidade de nossa sociedade.” Fontana, no entanto, admitiu que não está na sua agenda como ministro na época, e que pretende focar-se na “convencer as mulheres a não abortarem”. As palavras de Fontana logo despertou reações no ambiente político e social na Itália. O ministro do Interior e vice-premier, Matteo Salvini, do partido nacionalista Liga Norte, tentou amenizar o caso, mas foi tirado de Fontana. “Fontana é livre de ter as suas ideias. No entanto, eles não são prioridade e não está no nosso contrato do governo”, disse ele. “A união Civil e o aborto não são leis em discussão. A qualquer momento, disse que mudaríamos a lei do aborto? Não”, assegurou. Por sua vez, as entidades de defesa dos direitos da comunidade LGBT reagiu. “Eu estou chocado ao ver um ministro da Família longe da realidade em que vivem”, criticou Marilena Grassadonia, presidente da Associação, “Famílias do arco-íris”.
O Conselho Municipal da Criança e do Adolescente (CMDCA) Arujá receber até 25 de agosto, o cadastramento dos candidatos interessados em disputar a eleição para os cinco cargos de membros suplentes do Conselho Tutelar do município. O Conselho Municipal da Criança e do Adolescente (CMDCA) Arujá receber até 25 de agosto, o cadastramento dos candidatos interessados em disputar a eleição para os cinco cargos de membros suplentes do Conselho Tutelar do município. A eleição será no dia 21 de outubro, das 8h às 17h, no EMEIA I (Avenida Amazonas, nº. 219, Planalto), e o mandato é para um período de dois anos. A eleição será no dia 21 de outubro, das 8h às 17h, no EMEIA I (Avenida Amazonas, nº. 219, Planalto), e o mandato é para um período de dois anos. Entre os requisitos para aplicar são: reconhecida idoneidade moral, idade superior a 21 anos, residir em Arujá, estar em pleno gozo dos direitos políticos, não ter sido condenado criminalmente, ter ensino médio completo, em parte, com a freqüência de 100% antes do curso promovido pelo CMDCA sobre a política de atendimento e rede de proteção municipal e exame psicotécnico. Também precisam ser aprovados no concurso da fase preliminar de conhecimento da Lei 8.069/90 (Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA) e ter experiência comprovada de no mínimo dois anos na área de defesa ou de serviço dos direitos de crianças e adolescentes. Entre os requisitos para aplicar são: reconhecida idoneidade moral, idade superior a 21 anos, residir em Arujá, estar em pleno gozo dos direitos políticos, não ter sido condenado criminalmente, ter ensino médio completo, em parte, com a freqüência de 100% antes do curso promovido pelo CMDCA sobre a política de atendimento e rede de proteção municipal e exame psicotécnico. Também precisam ser aprovados no concurso da fase preliminar de conhecimento da Lei 8.069/90 (Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA) e ter experiência comprovada de no mínimo dois anos na área de defesa ou de serviço dos direitos de crianças e adolescentes. Esta última exigência pode ser dispensada se o candidato possuir ensino superior completo nas áreas de ciências humanas e sociais e apresentar um certificado de conclusão reconhecido pelo Ministério da Educação (MEC). Esta última exigência pode ser dispensada se o candidato possuir ensino superior completo nas áreas de ciências humanas e sociais e apresentar um certificado de conclusão reconhecido pelo Ministério da Educação (MEC). Obrigatório curso será realizado nos dias 1 e 2 de setembro, e a prova preliminar no dia 10 de setembro. Obrigatório curso será realizado nos dias 1 e 2 de setembro, e a prova preliminar no dia 10 de setembro. O resultado da eleição será divulgado no dia 21 de outubro, com a posse dos eleitos a 30 de outubro. O resultado da eleição será divulgado no dia 21 de outubro, com a posse dos eleitos a 30 de outubro. A inscrição ocorre na sede da União dos Conselhos de Arujá (Rua Adhemar de Barros, nº. 60, no Jardim Modelo), entre 10h e 16h. O telefone para informações é o 4655-8436. A aplicação deve ser proposta para gravar até 24 de agosto. A inscrição ocorre na sede da União dos Conselhos de Arujá (Rua Adhemar de Barros, nº. 60, no Jardim Modelo), entre 10h e 16h. O telefone para informações é o 4655-8436. A aplicação deve ser proposta para gravar até 24 de agosto. Todas as regras para a eleição do Conselho Tutelar estão disponíveis no Concurso 3.526, de 25 de julho de 2018, no site da Cidade de Arujá. Todas as regras para a eleição do Conselho Tutelar estão disponíveis no Concurso 3.526, de 25 de julho de 2018, no site da Cidade de Arujá. Documentação Para se inscrever, o candidato deve apresentar cópias autenticadas da carteira de identidade, CPF, registro de eleitor e comprovante da última votação, ou certidão de quitação eleitoral, comprovante de residência, cópia simples de documento que comprove residência no município, certidão negativa criminal, currículo detalhado com as devidas especificações do trabalho na área de promoção, proteção e defesa da criança e do adolescente, mediante comprovação por meio de registro em carteira de trabalho ou declaração original, registrada, que comprove, efetivamente, a experiência e duas fotos 3×4. Para se inscrever, o candidato deve apresentar cópias autenticadas da carteira de identidade, CPF, registro de eleitor e comprovante da última votação, ou certidão de quitação eleitoral, comprovante de residência, cópia simples de documento que comprove residência no município, certidão negativa criminal, currículo detalhado com as devidas especificações do trabalho na área de promoção, proteção e defesa da criança e do adolescente, mediante comprovação por meio de registro em carteira de trabalho ou declaração original, ele é registrado, que comprove, efetivamente, a experiência e duas fotos 3×4. Remuneração de conselheiros tutelares receberão remuneração, com base no artigo 134 do ECA), de R$ 2.161,de 18 anos, além de cobertura previdenciária, férias anuais remuneradas, acrescidas de um terço do valor da remuneração mensal, da licença de maternidade, licença de paternidade e gratificação natalina. Os conselheiros tutelares receberão remuneração, com base no artigo 134 do ECA), de R$ 2.161,de 18 anos, além de cobertura previdenciária, férias anuais remuneradas, acrescidas de um terço do valor da remuneração mensal, da licença de maternidade, licença de paternidade e gratificação natalina.